Poesia de Natal

É Hoje a bela noite
Noite de Natal
Todos a comemorar
 em alto astral

É a magia que está no ar
Nos sentimos encantados
Leves a cantar
Ao lado de nossos amados

Alegria e paz
É o que pulsa em nossos corações
Felizes na paz
A ouvir belas canções

É Hoje!
Tão esperada noite de amor
De Abraçar, conversar, cantar
Confraternizar com ardor

A família reunida
Cantando canções de natal
Todos juntos sentindo o bom da vida
Maravilhoso astral

Vem a ceia
A partilha
Incendeia
Os olhos a olhar em volta e ver amar

Hoje é natal
Noite de magia
De encanto
De amor
E de amar
O próximo como ele nos ensinou!

( Autor: Lauro Daniel )

A Promessa de Natal

Vi um camião cheio de árvores de Natal e cada uma tinha uma história para contar. O motorista, colocou-as em fila e ficou à espera que as pessoas as viessem comprar. Pendurou umas luzinhas brilhantes e uma placa em que se podia ler em encarnado: ÁRVORES DE NATAL PARA VENDER. |Quando o homem se servia de chocolate quente duma garrafa térmica fumegante, uma mãe, um pai e um menino pararam o carro apressados e começaram a procurar a árvore mais bonita de todas.
    O rapazinho ia à frente e com um olhar reluzente, exclamou:
- Elas têm cheiro de Natal, mãe! Sinto o cheiro de Natal em todo lado. Vamos comprar uma árvore de quilómetros de altura. A maior que pudermos encontrar. Uma árvore que chegue ao tecto e nem dê para carregar. Uma árvore tão grande que até mesmo o Pai Natal, quando olhar, se admire e diga: "Esta é a árvore mais bela que já vi neste Natal!”
    Para achar o pinheirinho perfeito procuraram com muito cuidado. Aqui e ali, e até mais de uma vez, o pai examinou e balançou mais de seis.
- Mãe, mãe, encontrei, encontrei, o pinheirinho do que mais gostei! Tem um raminho partido, mas pode ficar disfarçado. Do anjinho da avó tiraremos o pó e lá no alto ficará a guardar-nos.
- Podemos comprá-la? Por favor, por favor! - pediu com fervor.
- Que.tal um chocolate quente? - perguntou o vendedor indulgente, enquanto abria o termo para aquela gente.
- Isto sim vai aquecer o ambiente! E em três pequenos copos de papel serviu o chocolate quente. Brindavam, esperançosos, a mais um feliz Natal.
- Escolheste muito bem. Esto é realmente o melhor pinheirinho. Feliz Natal - disse o homem, amarrando o pinheiro com um cordão! Mas o rapazinho estava triste porque o preço era alto demais para o que o pai podia pagar.
    Foi então que o vendedor lhe fez uma proposta:
- A árvore é tua com uma condição: tens de manter uma promessa. Na noite de Natal, quando te fores deitar e rezar promete guardar no teu coraçãozinho o encanto do Dia de Natal! E agora corre para casa, senão este vento gelado as tuas bochechas vai queimar.
    E assim foi, com o vento zunindo, durante toda a noite gelada. O bom homem ofereceu árvore, após árvore, após árvore. Com cada pessoa que apareceu brindou com o chocolate quente.E quem jurou manter a promessa de guardar no coração o encanto do Natal, saiu na noite contente, cantando canções alegremente.
    Quando tudo acabou só uma árvore restou. Mas ninguém estava lá para esta árvore adoptar. Então, o homem vestiu o seu grosso casacão e partiu para a floresta com a última árvore da festa. Deixou o pinheirinho perto de um pequeno riachinho, para que as criaturas sem casa pudessem fazer dela a sua morada. E sorria enquanto tirava os flocos de neve que na sua barba encontrava. Foi então que por detrás de um arbusto uma rena quase lhe pregou um susto. Olhou para ela e sorriu. Fazendo uma festinha na grande criatura, pensou com brandura: "Parece que o Natal chegou novamente! Ainda temos muito chão e muitas coisas para fazer! Vamos para casa, amiga, trabalhar neste Natal que vai começar". Olhou para o céu, ouviu os sinos a tocar e, num pestanejar, já lá não estava o vendedor.

Howard D. Fencl

1 de Novembro de 1755 - O dia que mudou Lisboa e arredores



O terramoto teve início às 9 horas e 40 minutos do Dia de Todos os Santos, 1 de Novembro de 1755. A terra tremeu três vezes, num total de 17 minutos, e, durante vinte e quatro horas, a terra não deixou de estremecer.




O sismo teve o epicentro no mar, a oeste do estreito de Gibraltar, atingiu o grau 8,6 na escala de Richter e o abalo mais forte durou sete intermináveis minutos. Por ser Sábado, acorreram mais pessoas às preces. As igrejas tinham os devotos mais madrugadores. Só na igreja da Trindade estavam 400 pessoas. Se os abalos tivessem começado mais tarde, teria havido mais vítimas, pois os aristocratas e burgueses iam à missa das 11 horas. Depois dos abalos, começaram as derrocadas. O Tejo recuou e depois as ondas alterosas tudo destruíram a montante do Terreiro do Paço e não só. Era o fim do mundo!
             Os incêndios lavraram por grande parte da cidade durante intermináveis dias. Foram dias de terror. As igrejas do Chiado e os conventos ficaram destruídas. A capital do império viu-se em ruínas, já para não falar de outras zonas do país, como o Algarve, muitíssimo atingida pelo sismo e maremotos subsequentes. Do Convento do Carmo, construído ao longo de mais de trinta anos e terminado, provavelmente, em 1422, com o empenho e verbas do Condestável Nuno Álvares Pereira, sobrou um amontoado de ruínas. A comunidade italiana que mandara construir a Igreja do Loreto viu cair o sino da torre, e, de seguida, o incêndio tudo consumiu. Ficaram os escombros. Quanto às igrejas da Trindade e do Sacramento desapareceram. «O Sacramento, das 17 freguesias que sobre a ruína do abalo sofreram o estrago do incêndio, foi das mais destroçadas nessas horas funestas.» Não foi poupado o antigo Convento do Espírito Santo, que haveria de transformar-se nos Armazéns do Chiado e Grandela. As ruínas do Convento do Espírito Santo foram depois compradas por um argentário, conhecido por Manuel dos Contos, mais tarde barão de Barcelinhos e depois visconde. A filha única casou com o 2º visconde de Ouguela, que foi proprietário do edifício até ao dia em que o vendeu para ser transformado nos hotéis Europa, Gibraltar, Universal, (tão falado em “Os Maias” de Eça de Queiroz) e Hotel dos Embaixadores, que já não existem. Sofreram um grande incêndio, em Setembro de 1880. Em 1894, os Armazéns do Chiado adquiriram a parte central. Outro incêndio, o de Agosto de 1988 destruiu por completo aquele espaço. Os mais cépticos não acreditaram que o Chiado renascesse, mas ficou provado que ele tem "artes mágicas" para reviver e atrair a si tudo e todos.
             Na voragem do terramoto de 1755 desapareceram cinquenta e cinco palácios, mais de cinquenta conventos, a Biblioteca Real, vastíssima em livros e manuscritos e as livrarias (como sinónimo de bibliotecas) dos conventos de S. Francisco, Trindade e Boa Hora. As chamas reduziram a cinzas milhares de livros em cinco casas de mercadores de livros franceses, espanhóis e italianos, e em vinte e cinco – contadas por Frei Cláudio da Conceição – lojas e casas de livreiros. Salvou-se o precioso arquivo da Torre dos Tombo, devido aos cuidados do seu guarda-mor Manuel da Maia. Um jovem inglês de apelido Chase, que presenciou tudo, escreveu numa carta á família: «Porque o povo possuído da ideia de que era o Dia do Juízo, e querendo-se antes empregar em obras pias, tinha-se sobrecarregado de crucifixos e santos, e tanto os homens como as mulheres, durante os intervalos dos tremores, entoavam ladainhas ou atormentavam cruelmente os moribundos com cerimónias religiosas e, cada vez que a terra tremia, todos de joelhos bradavam misericórdia, com a voz mais angustiosa que imaginar se possa.» Balanço da tragédia: entre 12 a 15 mil vítimas mortais, numa população de 260 mil e mais de 10 mil edifícios destruídos. Voltaire, em Genebra, escreve impressionado Poème sur le désastre de Lisbonne

A Maior Flor do Mundo - José Saramago

Todos os adultos deviam conhecer esta história, talvez assim o mundo pudesse ser melhor

http://www.youtube.com/watch?v=YUJ7cDSuS1U&feature=channel_video_title

Inglês

Aqui vos deixo um link para um manual de fichas em Inglês para fazer com as crianças


22 Fun Activities for Kids ( carreguem neste link)


É uma excelente forma de as crianças aprenderem Inglês

Desenhos para Colorir



Canção da Vindima ( Beira Baixa)


Não se me dá que vindimem
vinhas que eu já vindimei.
Não se me dá que outros logrem
amores que eu já rejeitei.

Fui um ano à vindima, 
pagaram-me a trinta réis; 
Dei um vintém ao barqueiro, Ai 
Fui p´ra casa com dez réis, 

Dei um vintém ao barqueiro, Ai, 
Fui p'ra casa com dez réis. 
Pela folha da vindima, 
pagaram-me a trinta réis; 

Faço-me desatendida, Ai, 
A mim não me escapa nada,
 Faço-me desatendida, Ai, 
A mim não me escapa nada. 

Estou debaixo da latada, 
nem à sombra, nem ao sol; 
Estou ao pé do meu amor, Ai, 
Nã há regalo maior, 
Estou ao pé do meu amor, Ai, 
Não há regalo maior.

Outono

Ó lindo Outono,
o que é que nos dás?
Uvas e castanhas, ó trrim, tim, tim
e belas maçãs.

Ó lindo Outono,
dás também as chuvas.
Vêm as desfolhadas, ó trrim, tim, tim
acabam-se as uvas.

Contigo, Outono,
vem o S. Martinho;
fazem-se magustos, ó trrim, tim, tim
e prova-se o vinho.

( música do Malhão)


Lengalengas

1,2,3
 
1,2,3
Acerta o passo Inês
Damos meia volta
Damos outra vez
Damos outra vez
Ó menina Carlota
1,2,3
Damos todos meia volta
 
 ____________//____________

A chover
 

A chover
A trovejar
E as bruxas
A dançar
 
A chover
A fazer sol
As bruxas
A comer pão mole
 
 _____________//_____________
 
A criada lá de cima 
A criada lá de cima
É feita de papelão,
Quando vai fazer a cama
Diz assim ao patrão:
Sete e sete são catorze,
Com mais sete vinte e um,
Tenho sete namorados
E não gosto de nenhum

Trava (destrava) Línguas

Eu tagarelaria
Tu tagarelarias
Ele tagarelaria
Nós tagarelaríamos
Vós tagarelaríeis
Eles tagarelariam

_____________//____________

Se a liga me ligasse, eu ligava a liga, 
mas como a liga não me liga, eu não ligo a liga.

_____________//_____________

O tatuador tatuado tatuou a tatua do tatu. 
Tatua tatuada enfezada, 
tatuou o tatu e o tatuador já tatuado!

Vamos Rimar ????

Sarapico, pico, pico
Quem te deu tamanho bico?
Foi a velha Chocalheira
Come ovos e manteiga.
Os cavalos a correr,
As meninas a aprender.
Qual será a mais bonita
Que se irá esconder?

---------------//---------------

Tum, tum, tum
Maçaroca maçoneta
Toca na mão para te livrar,
Até cinco vou contar:
Um, dois, três, quatro, cinco
Podes-te virar pois livre estás.

---------------//---------------

Tia Ana Nouca,
faça-me uma touca
Prà minha boneca
Que ela é careca,
Tem o cu de pau
Pra levar tatau.
Anani, ananão,
Ficas tu e eu não.
Sapatinho de veludo
E meiinha de algodão.


Jogo A Saquinha das surpresas



Sugestão de actividades:  Cantar a canção mimando movimentos fluídos e contínuos, de acordo com a letra. Dado as características da melodia da canção (acorde perfeito maior) trabalhar uma correcta postura vocal e entoação.

A saquinha, das surpresas
ninguém sabe, o que ela tem
Tão quietinha, tão calada
Vamos ver o que lá vem

Serão ovos, serão pintos
ou será um chimpanzé
tão quietinha, tão calada
Vamos ver o que isto é
 
 

A árvore da Montanha




A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
Essa árvore tem um tronco, ai ai ai que lindo tronco,
da árvore da montanha.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
Esse tronco tem um ramo ai ai ai que lindo ramo,
do tronco, da árvore da  montanha.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
Esse esse ramo tem uma folha, ai ai ai que linda folha,
do ramo, do tronco, da árvore da  montanha.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
Essa folha tem um ninho, ai ai ai que lindo ninho,
da folha, do ramo, do tronco, da árvore da  montanha.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
Esse ninho tem um passarinho, ai ai ai que lindo passarinho,
do ninho, da folha, do ramo, do tronco, da árvore da  montanha.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
Esse passarinho tem penas amarelas, ai ai ai que lindas penas,
do passarinho, do ninho, da folha, do ramo, do tronco, da árvore da  montanha.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.
A árvore da montanha, a e i o u.

A arca de noé


Na arca de Noé 
Entram todos, entram todos 
Na arca de Noé 
Entram todos dois a dois
1º Os burrinhos e os patos
 Na arca de Noé
 Entram todos, entram todos  
Na arca de Noé  
Entram todos dois a dois
2º Os burrinhos e os patos  
Os cavalinhos e os gatos
Na arca de Noé
 Entram todos, entram todos 
Na arca de Noé 
Entram todos dois a dois
3° Chimpanzé e cangurus  
2° Cavalinhos e os gatos  
1° Burrinhos e os patos
Na arca de Noé
 Entram todos, entram todos 
Na arca de Noé
 Entram todos dois a dois
Os burrinhos e os patos  
Cavalinhos e os gatos  
Chimpanzés e cangurus 
 Os leões e os marabus

É Verão !!!!

"SÃO JOÃO BONITO"



Ó meu São João Bonito, bem bonito que ele é
Bem bonito que ele é
Com os seus caracóis de oiro, e seu cordeirinho ao pé
E seu cordeirinho ao pé
Não há nenhum assim, pelo menos para mim
Nem mesmo São José

Santo António já se acabou
O São Pedro está-se acabar
São João, São João
Dá cá um balão
Para eu brincar

Santo António já se acabou
O São Pedro está-se acabar
São João, São João
Dá cá um balão
Para eu brincar

Ó meu São João bonito, dos milagres sem igual
Dos milagres sem igual
Vem trazer santa alegria, às gentes de Portugal
Às gentes de Portugal
Ouve a nossa canção, e livrai de todo o mal
Meu rico São João

Santo António já se acabou
O São Pedro está-se acabar
São João, São João
Dá cá um balão
Para eu brincar

Santo António já se acabou
O São Pedro está-se acabar
São João, São João
Dá cá um balão
Para eu brincar

Santos Populares



No mês de Junho celebram-se três Santos a quem o povo tem grande devoção, nem sempre expressa da forma mais ortodoxa. São eles: Santo António, cuja festa litúrgica ocorre dia 13, São João e São Pedro, cujas festas que se comemoram a 24 e 29 deste mês, respectivamente.
Santo António nasceu em Lisboa, por volta do ano de 1195 e em 1210 entrou no Mosteiro de São Vicente de Fora, dos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho. Em 1220 deixou os Cónegos Regrantes e ingressou na Ordem Franciscana, influenciado pela visita que as relíquias dos Mártires de Marrocos (franciscanos) fizeram a Coimbra, onde Santo António tinha professado. Foi ordenado sacerdote em 1222 e notabilizou-se como pregador – pregava contra as injustiças, as desordens sociais, a exploração dos mais desfavorecidos, etc. Tinha o dom da bilocação – um dia estando a pregar soube que algo se estava a passar noutra cidade e então, sem abandonar o púlpito, apareceu nessa cidade ao mesmo tempo. A sua morte ocorreu em Pádua, não como mártir como chegou a desejar, mas de doença, apesar da idade – morreu com 36 anos. Porque morreu em Pádua, os italianos e muitos outros chamam-lhe “Santo António de Pádua”, mas ele é bem português – “alfacinha de gema”. Foi canonizado e considerado Doutor da Igreja.
Santo António é conhecido como “santo casamenteiro”, porque segundo uma lenda protegia as raparigas pobres que queriam casar, mas não tinham dinheiro para o dote. Para isso pedia esmolas que depois canalizava para essas raparigas que assim com o dote já podiam casar. É também invocado para fazer aparecer qualquer coisa perdida. A devoção ao santo neste assunto, levou uma pobre mulher a fazer, um dia, esta oração: “Senhor Jesus Cristo, pedi ao Senhor Santo António que me faça aparecer as chaves de casa” (sem comentários…).
Santo António é festejado, entre nós, um pouco por todo o país, mas sobretudo em Lisboa a sua festa tem grande relevo.
São João era filho de Zacarias e Isabel, primo de Jesus. Foi quem baptizou Jesus no rio Jordão. Daí o sobrenome de Baptista, para o distinguir do Apóstolo S. João, autor do 4º Evangelho. Era um homem austero no seu modo de viver – vestia-se de peles e alimentava-se de gafanhotos e mel silvestre. Ficou célebre a sua atitude corajosa quando criticou Herodes Antipas por ter tomado como mulher a sua cunhada. Herodíades a mulher visada nas suas recriminações, nunca lhe perdoou e um dia num jantar festivo, induziu a filha a pedir a Herodes a cabeça de João Baptista que estava encarcerado. Morreu mártir e a Festa litúrgica da sua morte, celebra-se a 29 de Agosto. É um santo que tem duas comemorações ao longo do ano litúrgico: o dia do seu nascimento, o que não é comum aos outros santos, e o da sua morte. A única excepção refere-se a Nossa Senhora, Rainha de todos os santos: comemoramos o seu nascimento a 8 de Setembro e a sua morte e assunção ao céu a 15 de Agosto.
João Baptista anunciou a chegada de um novo reino, segundo a promessa feita por Deus aos patriarcas do Antigo Testamento. Com a sua missão profética chamou os homens à conversão e foi considerado como o último dos profetas, encerrando o ciclo das profecias do Antigo Testamento. Como sinal de amizade e gratidão para com João e com verdadeira humildade, Jesus deixou-se baptizar por ele – Jesus, que é Deus, não precisava do rito do baptismo, pois não tinha pecados.
São João Baptista é muito festejado em muitas cidades, quer portuguesas quer estrangeiras, mas entre nós, os festejos são mais grandiosos em Braga e no Porto. É padroeiro dos alfaiates e correeiros.
São Pedro, de seu nome próprio Simão, era natural da Galileia, filho de Jonas pescador de profissão, e como o pai, também ele pescador. Escolhido por Jesus, este mudou-lhe o nome – de Simão passou a chamar-se Cefas, que quer dizer “pedra” – em função da missão que o Senhor lhe confiaria, de chefe dos Apóstolos. É considerado o primeiro Papa da Igreja católica. É considerado o guarda da porta do Céu, por isso a iconografia o representa com umas chaves na mão. Morreu mártir entre os anos 64 e 67 da era cristã, tendo sido crucificado, (de cabeça para baixo, para, por humildade, não se assemelhar, na morte ao seu Mestre – Jesus) às ordens de Nero. É padroeiro dos pescadores.
A sua festa celebra-se a 29 de Junho, com grandes manifestações, um pouco por todo o país, sobretudo nas comunidades piscatórias, como a Afurada em Vila Nova de Gaia. Cidades do interior também o festejam, nomeadamente Vila Real de Trás-os-Montes.

in: http://www.jornaldascaldas.com/index.php/2011/06/16/os-santos-populares/
    

Dia da Criança

O primeiro Dia Mundial da Criança foi em 1950. Após a 2ª Guerra Mundial, em 1945, os países da Europa, Oriente Médio e China, entraram em crise. As populações destes países viviam muito mal, em especial as crianças. Os adultos estavam preocupados em retornar a sua vida cotidiana normal, relegando a educação a último plano. Muitos ficaram órfãos, e muitos que tinham ainda seus pais vivos tiveram de ir trabalhar pesado para contribuir para o sustento da família.
Foi quando em 1946, a ONU (Organização das Nações Unidas), começou a tentar  mudar esta situação, deu-se então o surgimento da UNICEF que é conhecida mundialmente  pelo que faz pelas crianças em todo o mundo!
Apesar de todos os esforços na altura, ainda era difícil fazer com que o mundo olhasse para os direitos das crianças, então em 1950 a Federação Democrática Internacional das Mulheres, propos a ONU que fosse criado um dia dedicado as crianças em todo o mundo. 

Este dia foi comemorado pela primeira vez em 1 de Junho de 1950.

Sugestão de Livro

A minha filha está a ler este livro na escolinha e eu gostei tanto que vos coloco aqui um "cheirinho"

A Menina que sorria a dormir - Isabel Zambujal

Este livro conta-nos a história de uma menina, a Glória, que vivia numa aldeia pequena e com poucos habitantes. Era uma menina igual a tantas outras, mas tinha uma dificuldade: não conseguia dormir sem ser embalada por histórias. Quando alguém parava de contar a história, fosse a que horas fosse, a menina abria imediatamente os olhos e dizia, sorridente: “- E depois, e depois?”. Ora, apesar de amor de mãe ser infinito, não há mãe que aguente noites inteiras e seguidas a contar histórias. Então, todos os habitantes da aldeia, num verdadeiro espírito solidário, cooperativo e comunitário, contribuíram para que a Glória tivesse um sono feliz e descansado, ou seja, seguindo uma escala elaborada pela professora daquele local, cada habitante, várias vezes por mês, passava a noite acordado a contar histórias à menina.
     O pai, que vivia muito longe, também lhe contava histórias, através de cartas, que a faziam viajar por terras distantes. Era o único que lhe contava histórias de viagens. Cada habitante tinha experiências de vida e gostos de leitura diferentes, portanto cada um tinha o seu tipo de histórias preferidas. Uns contavam fábulas, alguns, adivinhas, outros, histórias de reis e de princesas ou histórias doces…

     Só que esta situação estava a tornar-se insustentável para os habitantes da aldeia que, apesar de gostarem muito da menina, começavam a sentir o peso do cansaço acumulado de muitas noites em branco. Até que, um dia, Glória recebeu do pai um presente especial: uma caixinha e, no seu interior, uma menina que parecia uma princesa, deitada sobre um montinho de algodão branco e fofo como as nuvens. O bilhete que a acompanhava explicava que era uma “Fadinha de Olhos Fechados” e que a tinha descoberto num lugar onde as pessoas dormem a ouvir histórias, só que ninguém precisa de ficar acordado, pois todos os habitantes têm uma “Fadinha de Olhos Fechados a viver dentro da sua almofada. A Fadinha gosta de passar as noites a sussurrar histórias ao ouvido de quem dorme. A essas histórias chamam-lhes sonhos.”

1 de Maio - Dia do Trabalhador

Em 1886, realizou-se uma manifestação de trabalhadores nas ruas de Chicago nos Estados Unidos da América.
Essa manifestação tinha como finalidade reivindicar a redução da jornada de trabalho para 8 horas diárias e teve a participação de milhares de pessoas. Nesse dia teve início uma greve geral nos EUA . No dia 3 de Maio houve um pequeno levantamento que acabou com uma escaramuça com a polícia e com a morte de alguns manifestantes. No dia seguinte, 4 de Maio, uma nova manifestação foi organizada como protesto pelos acontecimentos dos dias anteriores, tendo terminado com o lançamento de uma bomba por desconhecidos para o meio dos policiais que começavam a dispersar os manifestantes, matando sete agentes. A polícia abriu então fogo sobre a multidão, matando doze pessoas e ferindo dezenas. Estes acontecimentos passaram a ser conhecidos como a Revolta de Haymarket.
Em 23 de Abril de 1919 o senado francês ratifica o dia de 8 horas e proclama o dia 1 de Maio desse ano dia feriado.
Em Portugal, só a partir de Maio de 1974 (o ano da revolução do 25 de Abril) é que se voltou a comemorar livremente o Primeiro de Maio e este passou a ser feriado. Durante a ditadura do Estado Novo, a comemoração deste dia era reprimida pela polícia. O Dia Mundial dos Trabalhadores é comemorado por todo o país, sobretudo com manifestações, comícios e festas de carácter reivindicativo, promovidas pela central sindical CGTP-Intersindical (Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses - Intersindical) nas principais cidades de Lisboa e Porto, assim como pela central sindical UGT (União Geral dos Trabalhadores). No Algarve, é costume a população fazer pic-nics e são organizadas algumas festas na região.